Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C

Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C.

Luigi Bosca Malbec D.O.C é um genuíno varietal de uma cor violácea profunda e é caracterizado pelos seus aromas de cerejas e ameixas maduras. Além disso, tem aroma de especiarias, com notas de café e amoras, e um toque de torrado como consequência do envelhecimento do vinho em barricas de carvalho. Sua estrutura é sólida e sua passagem pela boca, suculenta e elegante, com acidez equilibrada e bem redonda. Um tinto com força, mas com sutilezas, bem como excelente tipicidade. 


Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C 2011
Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C

Luigi Bosca Malbec D.O.C é um genuíno varietal de uma cor violácea profunda e é caracterizado pelos seus aromas de cerejas e ameixas maduras. Além disso, tem aroma de especiarias, com notas de café e amoras, e um toque de torrado como consequência do envelhecimento do vinho em barricas de carvalho. Sua estrutura é sólida e sua passagem pela boca, suculenta e elegante, com acidez equilibrada e bem redonda. Um tinto com força, mas com sutilezas, bem como excelente tipicidade. 

"A Denominação de Origem Controlada (DOC) Luján de Cuyo refere-se a uma cosmo visão vitivinícola e enológica do mundo". Eng. Alberto Arizu (p.)


Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C 2011
Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C

Denominação de Origem Controlada (D.O.C.) é o nome que identifica os produtos originados em uma região, que têm qualidades singulares que são o resultado único da região geográfica de onde eles vêm, incluindo os fatores naturais e humanos envolvidos na sua produção. O Conselho Denominação de Origem Controlada Luján de Cuyo, uma associação civil sem fins lucrativos formada por viticultores e vinicultores regionais, foi criado em 12 de outubro de 1989 com a finalidade de proteger, promover e divulgar, através do estabelecimento da primeira Denominação de Origem na América, as castas vermelhas características que consisten principalmente na variedade Malbec, e as mais populares CABERNET SAUVIGNON e FRANC, MERLOT, PINOT NOIR e SYRAH. Além disso, a associação também propõe-se recomendar as videiras brancas SEMILLÓN, CHARDONNAY, SAUVIGNON, RIESLING e PINOT BLANCHE.

Desde o início, liderada pelo Eng. Alberto Arizu H. (p.) que atualmente é o Presidente do Conselho, Luigi Bosca foi parte da iniciativa, e em 1991 lançou no mercado o primeiro vinho argentino com D.O.C. Os vinhos de Luján de Cuyo, que podem trazer a desejada legenda D.O.C. Luján de Cuyo impressa no rótulo, devem atender a requisitos rigorosos. 

Em 12 de outubro de 1989 é criado o Consejo Denominación de Origen Luján de Cuyo, uma associação civil sem fins lucrativos formada pelos viticultores e vinicultores da região visando proteger, promover e divulgar fundamentalmente as cepas tintas características da região, constituídas principalmente pela variedade Malbec, mediante a criação da primeira Denominação de Origem da América. Entende-se por Denominação de Origem Controlada (D.O.C.) o nome que identifica os produtos originários de uma região, cujas qualidades particulares se devem exclusivamente ao meio geográfico, abrangendo os fatores naturais assim como os humanos que geram sua produção. Como ocorre com qualquer sistema
de certificação geográfica do mundo, esta metodologia oferece uma dupla proteção. Por um lado, protege o produtor ao resguardar o prestigioso nome regional do uso inapropriado. Por outro, oferece ao consumidor que escolheu um produto a tranquilidade de estar consumindo algo típico desse lugar.
Desde um primeiro momento, da mão do Engenheiro Alberto H. Arizu (p), quem atualmente continua como presidente do Conselho, a Luigi Bosca fez parte desse trabalho, e em 1991 apresentou no mercado o primeiro vinho argentino com D.O.C.

Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C 2010
Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C


O Malbec em Luján de Cuyo Os vinhos de Luján de Cuyo, que têm direito a levar a desejada sigla D.O.C. na etiqueta, têm que cumprir com o estabelecido no regulamento da denominação. Os requisitos são os seguintes: A zona de produção dos vinhos protegidos pela DOC compreende uma área de 372 quilômetros quadrados, abraça os territórios localizados entre 825 metros acima do nível do mar e 1080 metros acima do nível do mar e se encontra localizada a 33º de latitude sul e
68º de longitude oeste, no piemonte da cordilheira andina do departamento de Luján de Cuyo, que compreende os distritos Ciudad, Mayor Drummond, Vistalba, Las Compuertas,
Carrodilla, La Puntilla, Chacras de Coria, Perdriel, Agrelo, Ugarteche e El Carrizal. Os vinhos devem ser elaborados e engarrafados dentro dos limites do departamento. A condução dos vinhedos deve ser levada a cabo de acordo com o sistema tradicional chamado de espaldeira vertical, de três ou quatro fios de arame, com uma distância entre as fileiras de vinhas de 1,5 a 1,80 m e de 0,80 a 1 m entre plantas. Esta distribuição permite uma densidade de plantação de 4.500 a 5.500 cepas por hectare. A única forma de poda admitida é a chamada Guyot Simples e Dupla (um velho sistema francês de Bordeaux), com uma variante muito própria e antiga, chamada “sistema mendocino” (sistema de Mendoza), que admite a presença de um terceiro carregador.
As práticas de manejo do vinhedo também estão limitadas no que diz respeito a lavras do solo (4 por ano), regas (12 a 14 por ano) e trabalhos admitidos nas plantas, como retirada
de brotos e outros trabalhos agronômicos. A produção máxima admitida para um vinhedo será determinada com base na média dos rendimentos anuais desse vinhedo dos dez anos anteriores à vinificação e sempre que este não superar o limite máximo fixado de 80 quintais métricos por hectare.
1 - UGARTECHE
2 - EL CARRIZAL
3 - AGRELO
4 - PERDRIEL
5 - CIUDAD DE LUJÁN
6 - VISTALBA
Zonas incluídas na D.O.C. Luján de Cuyo
7 - LAS COMPUERTAS
8 - CHACRAS DE CORIA
9 - LA PUNTILLA
10 - CARRODILLA
11 - MAYOR DRUMMOND
Os rendimentos máximos são: 56 litros por vinho flor por cada 100 quilogramas de uva moída e 70 hectolitros de mosto flor por hectare. Nos Malbec D.O.C. esta variedade deve participar em não menos de 85% do corte final, e para 15% restante podem ser usadas optativamente as cepas Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir e Syrah.

Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C 2012
Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C


A graduação alcoólica mínima admitida é de 12,80 graus, enquanto que para o resto dos valores químicos são adotados como limites os estabelecidos pela legislação provincial vigente.
Só é etiquetado depois que sua qualidade foi avaliada, aprovada e certificada pelo Conselho Regulador. No que diz respeito à criação dos vinhos, a D.O.C. Luján de Cuyo determina um tempo mínimo de 24 meses completos contados a partir do final de sua elaboração, dos quais pelo menos 12 devem ser em barris de madeira (usados ou novos) e o resto em garrafa antes de sua distribuição.
A existência de uma denominação de origem controlada (D.O.C.) é a consequência natural da existência de um produto de qualidade com reconhecido prestígio e tipicidade, protegido por um regulamento que o define e o regula controlando qualidade, produção, elaboração, colocação em barrica, engarrafamento e comercialização.
Em Luján de Cuyo sempre tem estado profundamente enraizada e é tradição no setor vitivinícola a identificação de seus produtos de qualidade com o lugar de procedência; o conceito D.O.C. é mais amplo: indica que o vinho além de proceder de uma área geográfica perfeitamente determinada, corresponde a variedades de uvas tradicionais nela, com sistemas típicos de cultivo, técnicas de elaboração e criação. Os vinhos com D.O.C. têm uma personalidade específica resultante das condições do meio (solo e clima), das variedades cultivadas e dos fatores humanos: é o triângulo da tipicidade, que tem uma grande dependência histórica.
A D.O.C. protege os vinhedos e as variedades já produzidas na região incluso antes que ela existisse. E este processo nunca pode ser invertido. Melhorar e aperfeiçoar os vinhos é um compromisso de todos os setores envolvidos na indústria vitivinícola de nossa região. Nisto colaboram viticultores, proprietários de adegas, comerciantes e exportadores, e todos estão dispostos a cumprir uma série de normas restritivas destinadas à limitação da produção, ao controle da qualidade e a permitir que o vinho chegue ao consumidor nas melhores ondições.
O consumidor encontra uma garantia na D.O.C. unida ao interesse de conhecer o que consome em um determinado contexto histórico e cultural.

Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C 2014
Vinho Luigi Bosca Malbec D.O.C

A D.O.C. foi instituída para proteger um lugar que garante inigualáveis perspectivas de desenvolvimento para suas uvas. A D.O.C. necessita de um regulamento para que tenham efeito as obrigações e direitos que o regime estabelece para os produtores e elaboradores localizados dentro do limite geográfico de Luján de Cuyo.
A D.O.C. é uma propriedade coletiva da região, a participação nela é optativa e está controlada por organismos profissionais. Começa como um ambiente cultural e procura projetar-se à civilização do futuro. A bebida engarrafada é um produto autêntico do lugar, é uma propriedade da terra e do vinhedo, que continua ligado a ambos e transfere suas propriedades no momento de abrir a garrafa.
Por que Malbec? Porque é a primeira variedade que foi cultivada, e que se mantém na região há mais de 200 anos, e foi a que deu à zona o prestígio que hoje ela tem. A D.O.C. representa o benefício do terroir e de seus cultivos. Da mesma forma em que a terra é dos homens, o renome é o resultado de seu trabalho.
LUIGI BOSCA MALBEC D.O.C : Este exemplar foi o primeiro vinho em certificar DOC da Argentina, constituindo-se como exemplar arquetípico do espírito de Luján de Cuyo. Desde 1991 até hoje tem sido elaborado todos os anos e sempre foi qualificado.

Na Argentina vinho faz parte da cultura nacional. Localizado ao sul das Américas, com uma população de 42 milhões de habitantes e uma área quatro vezes maior que a da França, Argentina é uma das reservas ecológicas do mundo.

Possuindo uma notável paisagem natural e, com pico coexiste com planícies, vegetação exuberante com aridez absoluta, florestas estepe e geleiras com catarata.

Neste contexto, e ao longo de cinco séculos, A Argentina desenvolveu uma viticultura muito original. A altitude, o clima continental, a extensão e diversidade de terroirs, baixa fertilidade do solo, o tempo seco, a pureza da água de degelo e do legado cultural do vinho. Os vinhos argentinos possuem identidade original e qualidade.

www.santaemilia.net.br
Vinho Luigi Bosca Gala 1 Malbec Petit Verdot Tannat

A família Arizu tem um forte legado europeu que remonta ao século XVIII, na pequena aldeia de Unzue no País Basco. Em 1890, Leoncio Arizu chegou à Argentina em busca de novas oportunidades, e em 1901 fundou a Vinícola na província de Mendoza. Em seguida, ele e os Boscas, outra família antiga e próspera que havia emigrado da região de Piamonte, na Itália, decidiram unir esforços e fundaram o que hoje é Bodega Luigi Bosca – Família Arizu.
Depois de 114 anos, o legado de Leoncio Arizu ainda está nas mãos de seus netos e bisnetos que honram a tradição de produzir grandes vinhos.
A Família Arizu tem desempenhado um papel de liderança nas grandes mudanças da indústria produtora do vinho local. Em 1989, a empresa teve uma participação ativa na fundação da primeira D.O.C. da Argentina, a Denominação de Origem Controlada "Luján de Cuyo".

A inovação contínua, um espírito de trabalho inabalável, e uma busca perpétua para alcançar a máxima expressão do vinho argentino, sempre foram a marca distintiva da Família Arizu, e também têm impulsionado a Vinícola a ganhar reconhecimento para a elaboração dos vinhos com um estilo e personalidade própria, que são a melhor expressão do terroir e do estilo, a cultura e as pessoas que vivem na região.

Por muitos anos, quatro gerações de viticultores têm trabalhado, com paixão e devoção absoluta para a terra, a fim de entender a intenção da vinha. 
Os principais pilares em que Luigi Bosca consolidou suas credenciais são um prestígio baseado na experiência adquirida e transferida ao longo dos anos, a qualidade sustentável e homogeneidade de seus vinhos e a busca perpétua da excelência através da inovação e da tecnologia avançada. Hoje, a Vinícola é uma empresa líder no segmento dos grandes vinhos do mercado doméstico Argentino, e também alcançou uma posição sólida e valorizada nos mercados globais. Seus vinhos estão presentes nos sítios gastronômicos mais emblemáticos do mundo, e são servidos nas mais prestigiadas companhias aéreas internacionais.

www.santaemilia.net.br
Vinho Luigi Bosca Gala 1 Malbec Petit Verdot Tannat


Localizada em Luján de Cuyo, o desenho arquitetônico da Vinícola é clássico, e o edifício foi construído sobre um antigo moinho originalmente localizado nesse lugar. A Vinícola tem sempre trabalhado com a filosofia de procurar o melhor terroir para cada cepa. O terroir é um espaço limitado, onde as condições físicas e químicas do solo, a localização geográfica e o clima, produzem produtos específicos e diferenciados. Além disso, o terroir é influenciado por condições tais como a altitude, a orientação das plantas, as encostas, a distribuição das chuvas, as horas de luz solar, etc. Com a intenção de se aproximar ao Terroir com o maior respeito, A Bodega Luigi Bosca adotou algumas das normas mais benéficas inerentes para o sistema de plantação biodinâmica, baseado em uma filosofia de trabalho que busca impulsionar a planta para torná-la apta para a autodefesa.

A promoção da biodiversidade é uma das chaves biodinâmicas aplicadas pela Bodega Luigi Bosca: a vinha nunca esteve em isolamento. Devemos fazê-la sentir-se parte de um sistema global, e fazer-la viver com, e ser reforçada por, outras espécies. A empresa tem sete propriedades vinícolas situadas em zonas privilegiadas de Mendoza: Lujan de Cuyo , Maipú e Valle de Uco .s diferentes variedades de videiras cultivadas nessas áreas foram trazidas da Europa no final do século XIX; assim, as vinhas de hoje são o resultado de uma seleção das melhores vinhas velhas da família.

Dicas para beber vinho tinto
O lugar no qual você armazena seus vinhos deve ter temperatura entre 15 e 18 graus.
É bom deixar o vinho tinto respirar um pouco antes de servir. Em caso de vinhos mais velhos é preferível deixá-los respirar por ao menos uma hora antes de beber.
O vinho tinto não deve ser aquecido nem resfriado com procedimentos artificiais.
Para a temperatura do vinho tinto ficar ideal, deixar algumas horas antes de servi-lo exposto à temperatura ambiente, desde que não superior a 20ºC. Esta operação é conhecida pelo termo internacional "Chamber"
Para servir vinhos tintos, nunca encher mais que a metade da taça.
Para o serviço de vinhos tintos em uma refeição deve-se levar em conta seu caráter, primeiro os mais suaves depois os mais estruturados.

Para saber mais: aqui

0 comentários: