Curiosidades sobre o vinho

www.santaemilia.net.br
Origem da palavra vinho


A busca filológica da palavra VINHO revela que há mais de mil anos antes de Cristo, na Ásia Menor, na língua dos hititas, o vinho era WE-AN, ou WE-ANAS em hieróglifos, daí a sua proximidade com a palavra VENA do Sânscrito.

VOINOS é a forma designada para vinho na inscrição grega mais antiga que se refere ao vinho - precursor de oinos, do grego clássico, do qual derivou a palavra latina VINUM - do Vino veio a forma atual VINHO – assim como tornou-se: VIN, para os franceses; VINO para os italianos, russos e espanhóis. Do hebraico VAYAN e do árabe WA-YN originou-se o nome WINE para os ingleses; WEIN, para os alemães.
Uma bebida singular, com sua fermentação alcoólica própria, que acontece de forma natural, espontâneo que varia conforme as uvas. A vinha tem sua origem provável na Ásia menor, entre a Pérsia e a Armênia. O vinho conquistou os egípcios antes mesmo do Deus grego do vinho, Baco, visto que foi encontrado entre os tesouros reais da I Dinastia, 3.000 anos a.C, jarras de vinho fechadas.
É incrível como foi possível colher informações nos rótulos das jarras do tempo do Faraó Amenhotep III, que assim como hoje encontramos no rótulo das garrafas informações importantes, havia nas jarras dos vinhos do Faraó informações como: ano, localização geográfica, o vinhedo produtor e o vinificador responsável. 
O estudioso e amante do vinho, Leonardo H. Lesko, da Universidade da Califórnia Berkeley, em A Adega de Tutankamon e The Origins and Ancient History of Wine (Universidade da Pennsylvania, um dos estudos mais completos sobre a vitivinicultura do Antigo Egito), entre outras informações impressionantes, escreve sobre as mais de 20 jarras de vinhos encontradas nas câmaras mortuárias desse faraó. Havia rótulos para distinguir inclusive as jarras de vinho doce ou se era um vinho de boa qualidade. O vinho era uma bebida de grande importância no Egito antigo, consumida pelas classes altas e pelos reis, de acordo com Maria Rosa Guasch-Jané, uma das coordenadoras do estudo publicado na revista Analytical Chemistry. O seu prestígio pode ser verificado nas diversas pinturas encontradas em túmulos de nobres e altos funcionários.
Possivelmente o vinho seguiu por todo o Mar Mediterrâneo nas embarcações dos fenícios, para todo o Mediterrâneo, com destaque para a Grécia que possui registros feitos por Homero, Platão e muitos outros, que só enalteceram ainda mais a história do vinho. Os gregos usaram o vinho não só para cerimônias religiosas e celebrações festivas, mas também para a medicina. O vinho grego mais apreciado atualmente, Retzina, tem sua origem ligada aos vinhos gregos descritos como doces, diluídos em água, com a presença de mel e resina de pinheiro.
No Império Romano, poetas imortalizados por suas obras como Virgílio, Horácio também contribuíram para a história do vinho. Assim como os legionários romanos, durante a expansão do Grande Império, levaram aos povos conquistados as parreiras para o cultivo da vinha, o que levou o vinho à Galia (França), Aquitânia (região de Bordeaux), Ibéria (Espanha) e Porto Gália (Portugal), Germânia (Alemanha), que por sua vez, ao longo da história também levaram o vinho aos povos por eles conquistados (África, Brasil, Ìnida etc.), até que o vinho conquistasse todos os continentes. 
Depois da água, o vinho é a mais antiga bebida que se tem conhecimento. Ainda que não seja possível precisar quando e onde tudo começou, é certo que o vinho deixou e continua deixando suas marcas ao longo da história da humanidade. Então escolha seu vinho e participe você também dessa história!

 Bibliografia consultada:

Leonardo H. Lesko, A Adega de Tutankamon e The Origins and Ancient History of Wine.
Maria Rosa Guasch-Jané, revista Analytical Chemistry e História Viva.
Osvaldo Nascimento Juniors - ENÓFILO, SOMMELIER, PALESTRANTE e COLUNISTA DE VINHOS, SOMMELIER DA REDE ANGELONI DE SUPERMERCADOS,LOJA AGUA VERDE-CURITIBA.

Para saber mais: aqui

0 comentários: